quinta-feira, 1 de março de 2012

Um ano fundamental para a Band

A TV Bandeirantes sempre foi conhecida como o "canal do esportes". A própria emissora se vangloriava disse na década de 90 utilizando exatamente este termo em seu slogan. Sem grandes pretensões no cenário de audiência, a proposta sempre foi chegar ao público através dos variados esportes e, assim, conquistar um telespectador fiel, mesmo que pequeno.

No início dos anos 2000 esta histórica estratégia foi desmantelada pela própria direção que, entendeu não haver mais espaço para tanto esporte numa emissora de TV aberta. Talvez essa leitura do cenário moderno televisivo seja absolutamente correta, o grande problema é que a mesma direção não se preparou para criar uma nova identidade e tornou a Band um canal esquizofrênico e sem nada para se apoiar. O telespectador percebeu e se afastou, colocando em risco, inclusive, o 4º lugar na lista de audiência diária.

Porém, uma nova década começou no ano passado e, aos poucos, a emissora começou a se reconstruir. Com uma identidade mais jovem, atrativa e com diversos programas diferentes do que se vê no cotidiano das outras Redes de TV aberta do país, a Band apresentou uma proposta interessante para a audiência e, agora em 2012, dá prosseguimento a este trabalho, já começando a aparecer no cenário.

Programas como CQC, A Liga e P 24 começaram a chamar a atenção da audiência por serem peças com nuances diferentes do que se via na TV aberta. A proposta acertada recolocou a emissora no centro das atenções e na disputa por números importantes de audiência. Em 2012, apenas em dois meses, a emissora conquistou a atenção da mídia e do público - talvez sendo a emissora mais falada do ano - em duas ocasiões.

Na primeira, com o excelente Reallity Show Mulheres Ricas. Um dos grandes acertos da TV brasileira em 2012 e que vem conseguindo ótimos resultados. Agora, em fevereiro, a emissora voltou a chamar a atenção com a contratação do humorístico Pânico na TV. Certamente a maior contratação do grupo em muitos anos e que vai ampliar sua audiência dominical.

Ainda que a Band continue no 4º lugar de audiência e com problemas crônicos em sua grade - como a venda de horário no Primetime diário para uma Igreja - a identidade jovem e subversiva da emissora vem sendo construída aos poucos. A série 24 Horas, uma ótima opção, encaixada as 21 Horas na grade da emissora, caminha para dialogar com este público mais jovem, assim como o programa popularesco Muito Mais.

Os resultados de audiência ainda não são gigantes, mas com paciência e mantendo a construção de uma identidade própria, certamente a Band vai se recolocar na briga por uma posição melhor. A atenção do telespectador ela conseguiu, mantendo um bom espaço na mídia, o que precisa agora é manter este telespectador atento a seus programas e, para isso, a qualidade precisa ser preponderante se quiser alçar voos maiores em 2012.

2 Quebraram tudo:

Kadu Gaspar disse...

Meu único medo é que a Band, assim como a Record, começe a se corromper de novo. Vamos aguardar, a Band está se tornando uma opção na TV e isso já é bom!

Rodrigo Rocha disse...

Querido

Acho a Band uma emissora interessante. Acredito que Diego Guebel está conseguindo imprimir na Band uma imagem popular e dinâmica, coisa que ela não tinha. Como você mesmo disse, o público fazia muito tempo se distanciou, pois não havia em sua grade um programa X que chamasse a atenção.

Aliás, Mulheres Ricas não entrou na grade pela qualidade. O programa não prima por isso. Mas devemos admitir que foi o maior burburinho da televisão no início do ano. Colocou o nome da BAND de novo na boca do povo.

Acho que agora, com sua grade semana estabelecida e organizada, deve-se pensar nos finais de semana de forma criativa e ágil. Nada de colocar programa de auditório ou afins. Deve pensar em algo diferente, que chame o público carente de algo inovador no domingo. Porque não um bloco de séries? Seria deveras interessante.

Se não me engano, li que o contrato com o missionário RR Soares foi de um ano. Acho que é esse tempo de prospecção que Diego Guebel levou em consideração no momento de planejamento: segundo sua proposta, daqui há um ano a Band não precisará mais vender horário proas igrejas pois conseguirá se manter por conta própria... é o que desejamos.

PS: Sinto muito pelo texto longo e pela Band ter abortado o natimorto The Nanny. Além de ter uma proposta super interessante e engraçada, ter Daniele valente como protagonista seria um presente...

Postar um comentário

Twitter Facebook Adicionar aos Favoritos Mais

 
Tecnologia do Blogger | por João Pedro Ferreira