quarta-feira, 25 de agosto de 2010

A Cura - 1X03

Escrever sobre A Cura não é tarefa fácil. Desde o episódio piloto se soube que a série escrita pelo ótimo João Emanuel Carneiro para a Rede Globo seria extremamente complexa e não tão simples de se compreender como a maioria dos produtos da teledramaturgia brasileira.

A proposta de João Emanuel foi apresentar ao público um novo modelo de dramaturgia nacional. Portanto, ao assistir cada um dos episódios é preciso que o telespectador tenha em mente que não está vendo um produto meramente brasileiro e, a premissa fundamental para acompanhar a série é despir-se de qualquer pré-julgamento em comparação aos outros produtos televisivos disponíveis no mercado nacional.

Conseguindo isso, é possível sentar-se e deleitar-se diante de um produto iluminado. A TV brasileira passa por um momento histórico e não necessariamente em repercussão e menos ainda em audiência - principalmente em virtude do horário de veiculação, já que começa as 23h30 por causa do Horário Eleitoral Gratuito - mas no formato e na qualidade.

O 3º episódio exibido na última terça-feira retratou a diferença fundamental de A Cura para todas as outras produções nacionais. Como público estamos acostumados a produtos mais rasos - não necessariamente ruins - e com histórias bem desenvolvidas e nada complicadas de se entender. Por mais que o modelo pareça complicado para as personagens, para o público é sempre fácil acompanhar. Não é o que se vê na excepcional série de JEC.

Após um episódio piloto de apresentação, e um 2º episódio em que o público conheceu a fundo a história de Dimas (Selton Melo) e começou a ficar dividido com os mais diversos sentimentos conflituosos do personagem, A Cura nos brindou com um novo episódio e completamente diferente dos demais. Na prática, não houve nada de importante nas cenas vistas durante todo o episódio, porém, ao analisar mais profundamente, este foi o mais importante e com mais revelações até o momento.

A complexidade dos sentimentos de Dimas foram vistos nas cenas em que ele se leva pela opinião de terceiros e não se aceita como é. Em contrapartida, vemos também o desenvolvimento da história paralela, que acontece no ano de 1728 e que, até então tinha como única ligação com a história principal, o fato de também girar na cidade de Diamantina-MG. Agora já há um laço mais profundo, afinal, fomos apresentados no fim do episódio a Ezequiel, um adolescente que realizava já naquele ano curas milagrosas com o mesmo equipamento médico - principalmente o bisturi - que o tal curandeiro Oto (Juca de Oliveira) usou e que Dimas também vem utilizando. Uma ligação e forte.

Além do que, as cenas mostradas nesta realidade foram bem fortes, com Carmo Dalla Vecchia caracterizado profundamente como um homem doente, tomado de uma maldição lançada por um índio e que sofre por conta disso. Palmas aos maquiadores da Globo por conseguirem tamanha perfeição.

Mas o 3º episódio de A Cura teve como foco principal esteve o tempo todo em Rosângela (Andréia Horta) que decidiu a todo custo provar que Dimas cursou Edelweis (Inês Peixoto) através da cirurgia espiritual. Vemos cenas muito bem escritas e ricas em intrepretação. Quem assiste a série e vê a personagem Rosângela conversando tem certeza que a própria  atriz fala daquela forma, como um típica mineira. O retorno de Andréia Horta para a Globo tem sido triunfal.

Após o episódio de terça-feira, um telespectador desatento, desapegado e desinteressado pode ter suspirado e pensado: "O pior episódio entre os três", mas foi o oposto. Este foi o episódio em que tudo começa a fazer sentido e ganhar novas dimensões em A Cura.

5 Quebraram tudo:

Othon Pereira de Noroes disse...

muito saudade Toma Lá, Dá Cá

arantesd disse...

Impossível conter a ansiedade para o próximo episódio!
Simplesmente viciante.
Até que enfim uma série de qualidade na TV aberta.

Caroline® disse...

Também fiquei impressionada como esse episódio foi bom. Tava morrendo de sono, mas o da semana passada me deu tanta minhoca na cabeça que aguentei até tarde pra ver. Realmente, este episódio adiantou bastante os mistérios da série, principalmente a relação entre o passado e o presente de Dimas. Tô viajando e achando que o Ary Fontoura é a reencarnação do malvadão Carmo Dalla Vecchia....

Admin disse...

Cara, A CURA é boa de mais pra passar tão tarde

isso me irrita na globo, coisa ruim como casseta passando em um horário privilegiado e produção excelente como A CURA passando num horário tão ruim :@

Guilherme disse...

A Cura é simplesmente perfeita!
Gostaria que o blog fizesse uma crítica da nova temporada de Malhação 2011!
Desde já obrigado!

Postar um comentário

Twitter Facebook Adicionar aos Favoritos Mais

 
Tecnologia do Blogger | por João Pedro Ferreira