terça-feira, 27 de abril de 2010

O Poder do Humor de Qualidade

Não vou fazer uma crítica ao péssimo Legendários, apesar de a partir de agora, sempre que se falar de humor, ter-se como referência a má qualidade do programa da Record. O momento é mostrar o parâmetro que um programa de qualidade dá resultados sempre, ou pelo menos quase sempre.

Enquanto Legendários tentou revolucionar a TV brasileira e vem conseguindo números inexpressivos de audiência - nem sequer aparece entre as principais audiências da sua emissora - dois outros programas parece que escolheram justamente este período para se consagrarem.

O Pânico na TV que já tornou-se tradicional na televisão, vem a cada domingo conquistando mais e mais o público. Na última semana, além de conseguir a proeza de liderar a audiência por alguns minutos, fechou com uma de suas melhores médias no ano, 11 pontos segundo o consolidado. Esse número parece próximo ao Legendários - que fechou com 09 - mas não é. Se levarmos em consideração que o Pânico é da Rede TV, uma emissora que raramente consegue fechar com 02 pontos de média geral no dia, nota-se que o humorístico fechou com mais de 05 vezes a média da emissora. Como a Record fecha com média de 07 pontos, seria como se o Legendários registrasse 35 a 40 pontos de média. Pequena a diferença, não?

E para dar o golpe de misericórdia, o CQC - Custe o que Custar - da Band parece que não pára de crescer em audiência. Nesta segunda-feira, o programa obteve sua melhor média, 07 pontos de acordo com os dados prévios, chegando a picos de 10, ficou em terceiro lugar, mas houve momentos de vice-liderança. 07 pontos para o CQC na Band que também fecha normalmente com 02 pontos de média-dia, representaria cerca de 25 pontos para o Legendários, na proporção. Impressionante, não?

Creio que essa pequena lição do telespectador em três dias consecutivos - no sábado rejeitando o Legendários, no domingo e na segunda aceitando amplamente o Pânico na TV e o CQC - é uma amostragem que o humor do bem não é a proposta que o humorístico da Record vem tentando fazer, mas é acima de tudo, aquele que faça o público rir.

6 Quebraram tudo:

Antonio Oviêdo disse...

Concordo com tudo que você disse. Não sei como a Record não percebe que o investimento feito não tem trazido retorno de qualidade nenhum a programação, no caso de Legendários.

Festas UFSC disse...

Tudo bem que Legendários não é lá grandes coisas, mas chega dessa implicancia tua com o programa. Como diria o sábio, ninguem chuta cachorro morto. Apesar da qualidade duvidosa, o que importa pra recoord é que o programa vem mantendo a vice liderança. Aliás ja falaram varias vezes que o programa nao é um humoristico, mas vc insiste em o comparar com CQC e Panico. Enfim, um conselho de amigo, desencana, deixa Legendários pra la!

julio cesar disse...

Na minha opinião,oproblema é o Mion.O cara não desce mesmo...

Othon Pereira de Noroes disse...

esquece Zorra total é pior humor para sem ir graça.....

ed primo disse...

Eu dou mais risada no "Furo MTV" que eu assisto todo dia do que com o Legendários da Record!!! Viva o Bento Ribeiro e a grande e maravilhosa Dani Calabresa !!!!!!

Hank disse...

O ponto crucial que difere CQC e Pânico de Legendários é que quando iniciou o Pânico, em 2003, o pessoal do prgrama nem pensava que iria chegar nem em 4º lugar, imagine na vice liderança. Emilio e pessoal nem pensavam também, que o programa iria ficar por tanto tempo como está aí durando. O mesmo é para o CQC. Concluindo, os 2 programas mantiveram os "pés no chão", com humildade e sem ficar mencionando em revolução, em sucesso já logo de cara etc. Já Legendários, antes mesmo de estrearem, já demontraram uma prepotência, com uma certa arrogância. Lógico, é legal demonstrar confiança, acreditar que pode sim fazer sucesso, ganhar da concorrência, mas demonstrando isso internamente, porque assim não sofre críticas de arrogância e prepotência e não corre o risco de "pagar mico" quando fiasca.

Postar um comentário

Twitter Facebook Adicionar aos Favoritos Mais

 
Tecnologia do Blogger | por João Pedro Ferreira