terça-feira, 2 de abril de 2013

Contos do Edgar é um avanço para o formato no Brasil

Estreou nesta terça-feira, 03, a nova série brasileira, primeira produção nacional da FOX. Produzida pela O2 Filmes, Contos de Edgar com roteiros de Gabriel Hirschhorn e Vitor Brandt e direção geral de Pedro Morelli, a série adapta algumas das histórias do famoso escritor de terror Edgar Allan Poe. Com cinco episódios confirmados para a primeira temporada, a série é a primeira série nacional - neste formato, idêntico ao estrangeiro - a ir ao ar no horário nobre num forte canal da TV fechada.

Apenas pelo fato de investir num formato como este, que faz sucesso no mundo todo, mas que, normalmente, é ignorado no Brasil - principalmente pela TV aberta que não produz praticamente nada de séries e se produz, normalmente foca-se no humor e ignora o drama - já é um grande avanço para as produções nacionais que parecem não conseguir enxergar este filão. O investimento, óbvio, é graças as novas leis sobre a TV a Cabo que obriga a exibição de uma quantidade de horas diárias para produção de conteúdo nacional.

A FOX mostrou-se ousada ao fazer a parceria com a O2 Filmes e levar ao ar um produto tão controverso. A proposta da série é realmente questionável, pois poderia-se concluir que há inúmeros escritores brasileiros que poderiam servir de inspiração para uma série nacional. Inquestionável, contudo, é a capacidade dramatúrgica que os contos do mestre do terror, Edgar Allan Poe, tem - vide The Following, a produção da FOX americana que tem tido bons números de audiência nos EUA e causou burburinho em sua estreia.

Análise de todos os elementos externos feita é preciso enxergar o episódio Piloto em si. Batizado como Beré - inspirado no Conto "Berenice" - o episódio trata de apresentar o protagonista, Edgar, narrador e que conta a história bizarra que sabe para um de seus amigos. Edgar aparece logo nas primeiras cenas, inicia a história e, a partir daí, o foco da série é na própria história, ignorando o protagonista-narrador e apresentando as personagens do episódio.

Segundo divulgação, essa é a estratégia dos produtores que pretendem introduzir a mentalidade do protagonista na primeira temporada apenas assim, como narrador, dando vida a outros personagens. Não se sabe ao certo se haverá segunda temporada e qual será o enfoque. De qualquer forma, a ideia de colocar Edgar como um personagem-narrador é interessante e pode chamar a atenção. 

O episódio em si ficou devendo um pouco. Para uma estreia aconteceu muito pouco. Tudo acabou sendo muito subliminar e deixado demais nas entrelinhas. Mesmo uma série de terror psicológico precisa puxar a atenção do telespectador na sua estreia, caso não queira ser deixado de lado. E, em Contos do Edgar, não houve nada de tão explosivo durante boa parte do episódio.

Embora o roteiro seja delicado, bem escrito e opte pelo terror psicológico, não se pode negar que há um potencial e tanto para a série. Seguindo este modelo, nos próximos episódios, é possível que o terror seja mais fincado, mesmo que não diretamente, e o público se acostume ao ritmo. O destaque nesta estreia foi, de fato, a direção. Entendendo bastante do formato e da linguagem, o diretor soube aproveitar o máximo do estilo de Edgar Allan Poe e construir cenas misteriosas, psicóticas e interessantes, sempre usando o tom soturno. 

Difícil dizer se esta aposta num novo filão para o Brasil irá agradar o público. De qualquer forma, Contos do Edgar já é uma avanço para o formato e, principalmente, conseguiu apresentar um produto interessante e que soube se desvencilhar do estilo folhetinesco que parece ser arraigado no país. 

2 Quebraram tudo:

Milena disse...

Neste formato estrutural americano (1 episódio semanal, com linguagem não novelística), a HBO fez Alice, Mandrake, Filhos do Carnaval, entre outros.

A O2 é excelente! Se não me engano, foi ela que produziu a ótima Som & Fúria para a Globo, que era totalmente americanizado, mas que a emissora passava diariamente.
Teria uma outra temporada, mas que infelizmente foi cancelada.

Granja Toda Hora disse...

Primeiro formato pra tb aberta no Brasil? Já houviu falar de uma emissorazinha pequena e pouco conhecida no mundo, chamada HBO?

Postar um comentário

Twitter Facebook Adicionar aos Favoritos Mais

 
Tecnologia do Blogger | por João Pedro Ferreira