sexta-feira, 16 de julho de 2010

Fim genial para uma grande novela

Quando começou a se especular sobre a sinopse da novela com título provisório de Bom dia, Frankenstein muito já começou do burburinho entre a mídia e também entre fãs de telenovela. Parecia uma ousadia criar uma história em que a tecnologia, um prédio modernos e pomposo seria o grande protagonista. O elenco foi se formando e a empolgação continuava, afinal, haviam muitos mistérios cercando o roteiro. Com nome definido de Tempos Modernos o folhetim entrava no ar com a difícil missão de substituir o sucesso de audiência - e nem tanto de crítica - Caras e Bocas.

Passados mais de 07 meses, Tempos Modernos não conseguiu, ao contrário, derrubou a audiência média da emissora em 07 pontos na média geral (fechou com apenas 24). A trama que surpreendeu o país por sua ousadia, teve os melhores 35 capítulos iniciais da história recente da TV brasileira para o horário das 7 (e também das 6). Ousada, inovando, linguajar novo e modelo completamente diferente de se fazer telenovela, o autor Bosco Brasil parecia impressionantemente inspirado.

Porém, a audiência se assustou - assim como havia se assustado com a inovação de As Filhas da Mãe e de A Favorita ambas excepcionais - e rejeitou a trama. A sinopse foi sendo alterada aos poucos e, o que se viu da metade para o final foi uma novela apenas com "mais do mesmo", não era mais sequer sombra do que havia sido no começo. Bosco Brasil apostou no formato clássico de um folhetim para tentar atrair a audiência.

Em partes funcionou, pois a novela conseguiu se livrar do estigma de pior audiência isolada da história e, com um último mês muito bom na audiência, fechou empatada com Três Irmãs. Porém, novamente a emissora perdeu a chance de dar novo fôlego para o formato. Pena. 

Ainda assim, é impossível para a crítica classificar Tempos Modernos como um fracasso no quesito qualidade. A trama foi muito boa, muito bem amarrada e conseguiu ainda mostrar ao público que é possível fazer o telespectador dar boas risadas sem precisar apostar nos clichês e nos lugares-comuns que muitos autores parecem preferir. 

Com isso, o último capítulo não poderia ser diferente. Ágil, com diálogos impressionantemente bem construídos e que lembravam a primeira semana da trama, Tempos Modernos se despediu do público de forma digna, dando qualidade a televisão brasileira. Sem precisar apelar, sem precisar exagerar, apenas com um bom texto.

Destaque para o final criado pelo autor para a personagem Deodora (brilhantemente interpretada por Grazi Massafera). Final incomum, não pela morte em si, mas pela forma como ocorreu. E também para o retorno triunfal do melhor personagem do começo da novela, Albano (Guilherme Weber) que foi uma perda irreparável durante mais da metade da novela.

O destaque negativo deste capítulo ficou por conta do final tão clichê com todos os casais grávidos ou com filhos recém nascidos. Desnecessário e até maniqueísta. Porém, com uma excelente média de 34 pontos e picos de 38, Tempos Modernos sai de cena e mostra que audiência nem sempre é tudo, qualidade é qualidade com 0 ou com 50.

4 Quebraram tudo:

Eddy disse...

Bom, parabéns pelo blog. Gosto bastante. Acho inteligente, moderno, bem informado, enfim. Gostei da novela e não desisti dela mesmo depois da rocambolesca reviravolta que culminou na morte de Albano e o desaparecimento de Regeane.

Me irritam críticas do gênero "O roteiro é uma bela bosta". OK, não gostar é uma coisa. Agora, não admitir que Tempos Modernos sempre foi bem escrita, é burrice. Acho que o bom texto, por si só, já valeu mais de 50% da novela.

Enfim, tive a melhor das impressões do texto do Bosco e espero que ele volte em breve, com mais sorte, e sem tropeçar tanto.

Admin disse...

Não concordo !

Tempos modernos foi uma péssima novela ao meu ver, desde o inicio até o fim !

É pai que não é pai, filho que não é filho, robo falante. entre outras asneiras que essa novela teve...

A Favorita caso você não lembre, não foi rejeitada, pegou uma época em que a globo estava mal, tudo ia mal, e a record estava bombando com os mutantes!

Quando os mutantes começou a cair, e a globo começou a subir, a favorita ficou estavel, que mesmo começando com 30 e poucos pontos conseguiu fechar com 40 ( ou 39)

A novela foi excelente, e é até feio você coloca-la num texto falando de tempos moderos !

Pedro Afonso disse...

Eu também adoro o blog e seu conteúdo e se nunca comento é devido a falta de tempo.
Em relação a Tempos Modernos, foi antipatia a primeira vista. Nunca assisti a novela e só espiava uma cena e outra. Quase sempre quando "espio um novela bate uma curiosidade pra saber o que está acontecendo. Com TM nunca foi assim, apenas via o absurdo e o bizarro em cena, nunca me empolguei com os ganchos da trama, nem com a motivação das personagens.
Obviamente não tenho propriedade pra criticar, nem julgar a novela, pois pra fazer isso teria que ter assistido a trama, o que não fiz. Acho extremamente patético quem critica sem conhecimento de causa, então não o farei.
Na verdade, depois de ler o texto, até me arrependo um pouco de não ter olhado para a novela com um olhar mais brando, menos implacável, menos passional. Bem...vivendo e aprendendo.

Nubia de Oliveira disse...

O problema dessa novela, além da atuação de alguns atores, foi a falta de história. Não fazia sentido acompanhar uma só história dela. Os personagens eram fracos, sem drama e, ao contrário do que você escreveu, cheia de clichês do tipo troca de exame de DNA, irmãos (falsos) apaixonados, disputa de duas mulheres por um homem... e por aí vai. Mas sem nenhum drama. Para acompanhar uma novela precisamos torcer por um personagem, querer saber o que vai acontecer com ele. No caso de Tempos Modernos, faltou isso. A trama central era muito rasa, as vezes chegava ao ridículo. Sem falar do humor que hora tentou ser inteligente mas se passou por um pseudo-intelectualismo totalmente sem graça e sem sentido ou pastelão tão babaca que doía os ouvidos.
Ainda bem que acabou! foi tarde.

Postar um comentário

Twitter Facebook Adicionar aos Favoritos Mais

 
Tecnologia do Blogger | por João Pedro Ferreira