terça-feira, 26 de janeiro de 2010

O Declínio da TV Aberta



Estratégias. Tudo o que temos ouvido falar nestas últimas semanas se resume a estratégias. SBT e Record se degladiam em busca de audiência maior e se consolidar na vice-liderança do Ibope e cada postura tomada por ambas é chamada de estratégia. Não é bem assim.

A briga entre as duas emissoras mostra uma fragilidade imensa de ambas em serem profissionais e pensar exclusivamente em seu público e não em guerra de egos como temos visto - inclusive com discussões e bate-bocas na internet que beiram o ridículo. A Rede Record chegou a acusar em determinados momentos a Rede Globo de ser líder de audiência por manipular e até monopolizar a notícia e o veículo. O que se vê, contudo, é que a emissora da família Marinho é líder absoluta de audiência pelo simples fato de respeitar seu público.

Apenas no mês de Janeiro, para se ter uma idéia, a Rede Record - segunda emissora na preferência, segundo o Ibope - modificou sua grade de programação tantas vezes que ninguém mais consegue contabilizar isso. A tarde, a noite e até de manhã foram tantas mudanças que deixa qualquer telespectador irritado e sem condições de acompanhar a programação.

Um exemplo clássico disso se dá na novela Poder Paralelo. Um dos melhores produtos de teledramaturgia dos últimos anos e a melhor novela já produzida pela emissora desde que retomou seu núcleo de telenovelas, além de ser a maior média de audiência de toda a programação da Rede, é constantemente desrespeitada. As mudanças de horário fizeram com que a trama de Lauro Cézar Muniz passeasse por praticamente toda a grade noturna. Ela já esteve as 9 da noite, 9 e meia, 10, 10 e meia e agora começa as 11, sem o menor respeito pelo público cativo.

Como se não bastasse as contantes mudanças de horário, a Record apostou - e deu resultado - em uma série americana para recuperar a audiência perdida na faixa das 9 da noite. Isso não é novidade, pois o SBT recuperou a vice-liderança no horário justamente exibindo uma série americana - Sobrenatural. Com o fim da 4ª temporada, foi necessário a substituição e entrou no ar outra série, Gossip Girl, que não deu o resultado esperado em sua estréia, muito disso graças a estratégia da concorrente que colocou no ar a série CSI, sucesso em todo mundo.

Os fãs de ambas as emissoras continuam se ofendendo e nomeando essas mudanças como estratégia. Mas o que se vê na verdade, está longe de ser estratégia. SBT e Record ao colocarem em sua grade nobre, no horário de maior share - número de televisores ligados - um produto enlatado, ou seja, uma produção de outro país, carimbam em suas marcas a incompetência de sua produção.



Um país como o Brasil, com atores e atrizes de qualidade confirmada e admirada em outros países do mundo, considerado o país das melhores novelas do mundo, com autores criativos e capacidade de criação impressionante não pode assistir de forma passiva as 2ª e 3ª maiores emissoras abrirem mão de produções próprias para aderirem a enlatados. Isso é inversão de valores.

Alguém pode dizer que apenas a Globo produz novelas de qualidade, o que é comprovadamente um ledo engano. O SBT em meados dos anos 90 tinha uma núcleo de dramaturgia impressionante e produziu obras de grande qualidade, como Éramos Seis e Sangue do Meu Sangue. A Rede Record também seguiu este caminho nesta década ao produzir novelas como Essas Mulheres e a própria Poder Paralelo.

Mesmo assim, se a direção de ambas as emissoras acreditam que o formato de telenovela está desgastado - a Record já anunciou que ao acabar Poder Paralelo ficará com apenas uma novela no ar e o SBT atualmente não tem nenhum, aguardando o início de Uma Rosa com Amor - e que a população brasileira está mais interessada no formato serial como acontece nos EUA, que não se importe, mas que faça produções próprias.

Tudo que não se pode é nos obrigar a assistir a essas duas Redes de TV abrirem mão de sua história, abrirem mão de produzir empregos, de apostar na arte brasileira, para irem pelo caminho mais fácil em busca pela audiência. Já é tempo de se profissionalizar os núcleos dramáticos e também os diretores de produção de todas as emissoras brasileiras. O que temos visto são diretores preguiçosos que preferem procurar soluções em outros países do que criar.

O horário nobre da TV brasileira não é para se colocar produtos enlatados. O povo brasileiro merece produções próprias - e de qualidade, diga-se - e os autores, atores, e todos os profissionais de TV merecem ter empregos estáveis ao invés de serem obrigados a mudar de área enquanto as produtoras americanas enriquecem à nossas custas.

Espero que a briga por um ou dois pontos no Ibope não cegue os responsáveis e que tanto o SBT quanto a Record entendam que o melhor caminho para a televisão brasileira é justamente o inverso que eles apostaram, é a produção própria.

22 Quebraram tudo:

Rafael Pradella disse...

Bem, não é todo mundo que gosta do ritmo arrastado das novelas (Viver a Vida que o diga...) e se sabe que se tem uma longa legião de fans de séries americanas pelo Brasil.
E sobre séries brasileiras: se a Globo e afins continuar as tratando como versão "pocket" das novelas, vai continuar desagradando o mesmo público que odeia novela, que vai continuar preferindo os CSI da vida :/

Rodriguees disse...

Acho uma vergonha dizerem que não devemos dar tanta bola pra
enlatados.
As novelas são melhores por acaso ?
A globo se pudesse passaria novela o dia inteiro; e só porque é brasileira que devemos assistir ?
Temos que assistir o que realmente nós gostamos
e se novelas não são tão queridas mais assim, que
comessem a reformular a programação dos canais brasileiros. E ponto .

Daniel César disse...

Rodriguees

Você precisa reler o que eu escrevi. Eu não disse que o PÚBLICO não deva assistir séries americanas. Eu disse que as séries americanas NÃO podem preencher o principal horário da TV brasileira, isto é completamente diferente, né?

Carlos disse...

Concordo plenamente! É muito fácil colocar um enlatado no horário nobre, niguém é responsável por ele.. é só apertar play.. os custos são mínimos.. As duas tv's não estão ganhando nada com isso.. elas são brasileiras e quem está levando o crédito é a tv norte americana que não se cansa de produzir excelentes programas! o oposto no Brasil, onde ninguém quer ter o trabalho de produzir coisas decentes, só copiam!!! Desse jeito vou comprar um canal aberto e encher de seriados, vou ter uma mega audiência!!

Bob Parr disse...

como fã de seriados que sou, quem chama as produções seriadas de outros países, tendo os EUA como referência, de "enlatados" perde E MUITO o meu respeito (ainda mais quando o cara diz que entende do que escreve...), que pra quem escreve não deve ser lá muita coisa já que não me conhece mesmo.

no mais, se o povo não quer mais assistir as novelas, que são o principal produto do horário nobre desde... sempre, é porque cansaram de ver sempre as mesmas histórias, mesmos personagens, mesmos cenários incontáveis vezes. e se elas tentam produzir seus próprios seriados que não seja, como disse muito bem o Rafael Pradella, uma "pocket novela". que seja algo diferenciado, com temas, personagens, cenários e características diferentes.

Daniel César disse...

Bob

Sinto muito se é isso que você pensa, mas o termo "enlatado" é utilizado linguisticamente no teor exato de "produto importado", principalmente para produtos televisivos.

O fato de você gostar de seriados americanos (e se você acompanhasse o blog saberia que eu também gosto) não muda o fato de que a TV aberta brasileira deve ter produtos próprios no horário por uma série de fatores já listados.

E é mito que novelas estão desgastadas e, caso estejam, compete as emissoras pesquisarem do que o público gosta e oferecer com qualidade este tipo de produto PRÓPRIO.

Rodriguees disse...

Continuo sendo contra.
Deve haver diversidade na programação.

Kátia Wong, Prazer ! disse...

sorry queridinho mas esse texto nao eh seu!
PLAGIAR EH CRIME, COLEGUINHA!!

Daniel César disse...

Kátia

Você certamnete é maluca. Este texto é meu e exclusivamente meu. Se você o viu em outro local, certamente copiaram de mim, basta comparar o horário de publicação.

Bob Parr disse...

sim Daniel, eu sei que você gosta de seriados (já vi comentário de vários por aqui, inclusive). a minha revolta é com o termo "enlatado" que nasceu lá em 1900 e antigamente e à época era usado meio que como pejorativamente se referindo aos seriados importados. há um bom tempo já os seriados passaram a ter uma qualidade que muitas vezes é comparada ao do cinema, então continuar usando esse termo na minha opinião pega MUITO mal e chego a considerar uma falta de respeito enorme com o produto (e sim, também sei que você não é o único a ainda utilizar esse termo, infelizmente).

e concordo com você que as emissoras brasileiras deveriam ter produções próprias ao invés de colocar um produto importado na programação apenas pra atrair audiência "fácil". o problema maior mesmo é que ninguém mais aguenta ver os mesmo temas abordados incontável vezes em várias produções diferentes. talvez um bom exemplo de como as emissoras poderiam diversificar seus temas foi a produção "Caminhos do Coração", que mais tarde passou a se chamar "Mutantes", o problema é que o produto final era de baixa qualidade e a Record foi esticando o negócio até se dar conta que não tinha mais como continuar com a produção sem piorá-la mais ainda.

Renato Machado disse...

Não concordo. Há de se ver que a maioria desses profissionais """maravilhosos""" que vc disse que o Brasil possui, estão hoje na toda poderosa Rede Globo... Não sobra muito para as outras emissoras... Além disso, o custo das produções é muito, mas muuuuito grande. A curto prazo é mais fácil e mais barato sim apostar em produções estrangeiras, pra que, quem sabe, a longo prazo, o mercado brasileiro tenha condições pra se custear produções desse nível. Pra se ter uma ideia, é só pensar na lógica. A novela das 9h da Globo tem custo de 350 mil reais por capítulo. Como é vista por cerca de 55 a 60% do público, o custo de publicidade é gigantesco. Nem se compara com o preço cobrado por Record e SBT. Se essas duas emissoras produzissem ao mesmo nível global (gastando seus 350mil por dia), o retorno financeiro praticamente não existiria... Ou seja, leva tempo e dinheiro fazer esse quadro que vc chama de inadimissível, se inverter.

Daniel César disse...

Renato sua observação é sensacional, mas caberia há 20 anos atrás.

O SBT tem uma história de quase 30 anos e a Record é mais velha que a Globo, ou seja, elas tiveram o tal "longo prazo", mas desperdiçaram como continuam desperdiçando tempo por falta de profissionalismo.

Renato Machado disse...

Tah, tudo bem... Estou dizendo, se elas fossem começar isso hoje...

João Paulo disse...

Acho que colocar séries no horário não é uma coisa ruim.
É uma forma de se aumentar a audiência, gastando-se menos.
Por exemplo: O que daria mais audiência pro sbt às 21 hrs: Véu de Noiva ou Sobrenatural?
A resposta é óbvia: Sobrenatural.
a direção do abt não pensou errado em colocar uma série.
Além de ser mais barata, dar mais audiência e ter mais qualidade, é o que o povo gosta.
E uma americanização da tv brasileira? Com certeza.
Mas é válida desde que aquele determinado canal também possua produtos própios de qualidade.
CSI, GOSSIP GIRL, SOBRENATURAL são, sim, produtos de altíssima qualidade que merecem espaço na tv brasileira.
Há um público carente de série que não tem acesso a tv a cabo e necessita desses canais de tv pra ver aquela determinada série.
Enfim, é a minha opinião.
Nada contra a de vocês,

Carlos disse...

Sinceramente não vejo o porque chamar seriado americano de enlatado! é o termo que todo profissional usa e que a população conhece para se referir aos seriados norte-americanos! (economiza texto)
Enfim, não existe justificativa para não se produzir algo brasileiro na tv aberta brasileira. Olhem para algumas produções do Multishow, como Cilada e Quase anonimos, muito bem feito e "diferente" do que o publico costuma ver, por isso está na tv paga, pq na tv aberta o publico nao gosta do diferente!!! Assim foi com novelas que tentaram inovar e acabaram fracassando em audiencia ou nao tendo retorno esperado! Muitos estao dizendo que o brasileiro cansou da mesma ladainha das novelas, acho que não anda pesquisando muito bem!! as novelas do manuel carlos sim, essas cansaram e prova é viver a vida, com uma das piores audiencias da historia da tv globo. Entao me pergunto, enquanto a novela tem 30-35 pontos, os seriados juntos (sbt+record) dao cerca de 20pts, se essas duas empresas resolvessem investir em seriados proprios, brasileiros, com historias geniais, a audiencia nao poderia subir mais ainda? afinal, o SBT consegue cerca de 10pts com Supernatural e Gossip Girl, que sao considerados fracos pela critica em geral, conseguiria muito mais se investisse em historias melhores!! E a record, convenhamos, o seriado que mais da audiencia nos EUA tem os msms pts que series adolescentes. acho que a record não tem mais jeito a nao ser se redimir publicamente pela falta de profissionalismo que vem demonstrando ao longo desses ultimos anos...

Guilherme disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Gabriel Borba disse...

Daniel
Quanto ao comentário da Kátia, realmente há um blog com o mesmo texto, mas publicado depois do teu: www.fernandoandfernandes.blogspot.com. Dá uma olhada lá.
Quando ao termo "enlatado", é importante dizer que o termo vem do tempo em que os programas eram gravadose distribuídos em rolos enormes, dentro de latas. O termo perdurou no tempo significando, principalmente, os seriados americanos que são transmitidos por aqui.
Quanto ao teu texto, acho que complicaste um pouco o que deveria ser uma opinião simples, e talvez por isto tenha dado esta "confusão".
Concordo contigo que os seriados são bons (e aqui no Brasil não seria possível fazê-los assim - é uma questão cultural, e ponto), mas que não poderiam ocupar o horário nobre das televisões. Acredito que esta seja a síntese do teu texto.
No entanto, temos que concordar que com as atuais produções brasileiras (citaria Viver a Vida e deixaria de fora Poder Paralelo) não resta muito a se fazer.
Poder Paralelo tem sofrido com a mudança de horário, mas acredito que um pouco disso se dá pelo próprio conteúdo da novela. Sinceramente, prefiro assisti-la "sem cortes" (por assim dizer) às 11 da noite do que às nove com limitações. E basta assistir a novela uns dois dias para saber que certamente ia ter gente berrando pelos "bons costumes" se ela passasse mais cedo.
Um abraço.

Guilherme disse...

Globo = Qualidade
Record = Podre

Daniel César disse...

Gabriel, obrigado pela informação, mas basta comparar o horário de postagem e ver quem copiou. Eu já denunciei este blog para o Blogspot por violar o direito do meu texto.

Guilherme disse...

????????????
por que apagou meu comentário?

Guilherme disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Daniel César disse...

Guilherme, vc está entupindo o blog de comentários que não têm a ver com o assunto, por favor, se atenha ao assunto do texto.

Postar um comentário

Twitter Facebook Adicionar aos Favoritos Mais

 
Tecnologia do Blogger | por João Pedro Ferreira