domingo, 6 de maio de 2012

Adriana Esteves muda as vilãs de JEC

Desde que estreou como autor titular de telenovelas, João Emanuel Carneiro, primou por apresentar obras sempre diferentes e ousadas. Porém, uma de suas principais - senão a principal - marcas são as vilãs inesquecíveis e fortes. Desde que entrou no ar, Bárbara (Giovana Antonelli) já deu mostras que seria um dos pilares da excelente Da Cor do Pecado, trama que apresentou o autor ao país. E não deu outra.

O mesmo aconteceu na trama seguinte, Cobras e Lagartos, em que, boa parte do fio condutor da história era levada pela divertida vilã Leona (Carolina Dieckmann). Mesmo com o viés de humor, a personagem mostrava a mesma força da vilã anterior. Feito que se repetiria na estreia do autor no principal horário, 21 horas, com A Favorita. Flora (Patrícia Pilar) entrou para a História da teledramaturgia como uma das maiores vilãs de todos os tempos, muio disso com contribuição do espetacular texto do autor.

As três tinham em comum: a força, a essência da maldade e a capacidade de se reinventar. Porém, uma marca mais profunda, mas também emblemática, era o minimalismo. Tanto Giovana Antonelli, quanto Carolina Dieckmann e Patrícia Pilar construíram personagens fortes, mas implícitas. Para fugir do maniqueísmo as atrizes interpretavam de corpo e alma, mas poderiam fazer as maiores atrocidades sem sequer levantar a sobrancelha, e Flora foi quase como um desenho clássico disso, um trabalho primoroso de Patrícia Pilar.

Agora, João Emanuel Carneiro está novamente no ar com Avenida Brasil. Novamente apresenta uma vilã que choca o país por sua força e capacidade destrutiva. Carminha é tão má ou pior que as vilãs anteriores que o autor brindou o público, mas ela tem uma diferença e - esta - não se deve a João Emanuel, mas a intérprete que foi muito corajosa.

Adriana Esteves tinha a receita pronta das vilãs do autor. Bastava olhar para trás e ver o que as outras três atrizes fizeram e tentar fazer igual, pois deu certo. Mas, fugindo da zona de conforto, ela quis ir além e conseguiu. Carminha no aspecto conceitual é idêntica a Flora, Bárbara e Leona, mas na empostação presencial é completamente diferente. Adriana criou um jeito muito diferente para a vilã, com caras e bocas muito divertidas e uma entonação de voz que é quase impossível de não se apaixonar. 

Tornar Carminha uma mulher exagerada, quase uma vilã mexicana, subindo o tom da atuação, com um texto que já é rasgado de tão forte, era um risco absurdo. Mas a competência de Adriana Esteves permitiu com que a personagem passasse muito longe da caricatura ou do clichê e conquistasse o telespectador logo de cara. Hoje, parece impossível imaginar uma Carminha minimalista, como foi a Flora por exemplo. O que faz com que o telespectador ame a vilã é justamente seu jeito único. Mas, uma marca registrada das vilãs de João Emanuel Carneiro é a de que o público ama odiar suas vilãs.

10 Quebraram tudo:

Sérgio Santos disse...

As vilãs do JEC sempre foram odiáveis e impactantes. Carminha não foge à regra. Adriana Esteves está impecável.

Luan Bruno disse...

João Emanuel Carneiro é, indiscutivelmente, um dos melhores autores da atualidade. Olhe lá se não for o melhor... Pra mim é o melhor, pronto! Já deixou pra trás meu querido Gilberto Braga.

E sua vilãs não poderiam ser diferentes: Ótimas, maravilhosas, poderosas...

Carminha, odiada por tantos que acompanham a novela, consegue alegrar as minhas noites, mas Flora ainda é a minha maior(e mais querida) vilã de todos os tempos. Vamos lá, Carminha, tô doido que você tome o lugar de Florinha... Vem com tudo, mulher!

Victor disse...

Acho a interpretação de Adriana Esteves um pouco caricata, sim. Na verdade, esse é um defeito de Avenida Brasil. A novela é ótima, na minha opinião, a melhor desde A Favorita, mas não chega aos pés desta. A Favorita era de arrepiar, surpreender, me fazia quase chorar de tanta emoção, é de longe a melhor novela de todos os tempos. Já Avenida Brasil, me parece bem mais fraca. Nem a protagonista nem a antagonista têm planos em mente, elas estão À mercê do acaso. Nina quer se vingar de Carminha, mas não tem nenhum plano para isso, ela só faz vomitar e vomitar e vomitar. A protagonista parece coadjuvante, e a antagonista não parece a Flora, para mim esse é o defeito de Avenida Brasil: Não ser A Favorita.

Paulo Jr. disse...

A Favorita foi com certeza muito boa, mas Avenida Brasil não me conquistou. Das novelas atuais, ainda considero Insensato Coração a melhor. Mas talvez ABr ainda venha a melhorar.

Hugh O.K.R. disse...

"Carminha, odiada por tantos que acompanham a novela, consegue alegrar as minhas noites, mas Flora ainda é a minha maior(e mais querida) vilã de todos os tempos."

Exatamente como eu. Estou achando a interpretação da Adriana Esteves fantástica. Adoro os trejeitos da Carminha, e na cena que ela é presa de verdade pelos sequestradores naquele alçapão e meio que 'rosna', visivelmente controlando a raiva gigantesca que ela tá sentindo, meu coração quase parou de tanta euforia. Agora eu esperava mais da personagem. Esperava uma falsidade maior, uma malvadeza maior... Esperava outra psicopata estimulante, como Flora era. Carminha não é psicopata, nem de longe. Ela só é má. Na minha opinião, a Adriana interpretando uma Carminha realmente psicopata e com os trejeitos que ela usa, seria arrebatador.

E como outra pessoa disse acima... O defeito da novela é não ser A Favorita. Avenida Brasil é muito leve, eu acho. Estou bastante decepcionado com Nina... Esperava muito mais dela. Acho a personagem tão perdida... A 'mãe Lucinda' vem dizendo as mesmas coisas há muitos capítulos ("Sai daquela casa, esquece essa ideia de vingança, conta a verdade pro Jorginho, vai ser feliz com ele, ele te ama, menina!") e eu não aguento mais ver a Nina tão sem propósito.

Espero que as duas (ou os quatro, se não for muita viagem: Nina, Carminha, Max e Jorginho) desenvolvam aquela relação deliciosa que tinha entre Flora e Donatela, porque aquilo era infinitamente mais que épico. Um duelo fenomenal, empolgante, novo e fantástico. Fico até eufórico de falar daquela novela.

Yuri Silva disse...

Falou tudo TUDO T-U-D-O!

Unknown disse...

Realmente Hugo, em alguns aspectos vooc tem razão! A Debora Falabella conseguiu pegar o papel, mas a personagem esta um pouco "perdida" na trama.O JEC disse numa entrevista que a novela seria um pouco mais colorida e e leve do que "A favorita" e por falar em "A fovorita" a novela já passou né ? O JEC ñ pode fazer uma copia do que já escreveu! Se tratando da vilã Carminha em questão, realmente ela ñ é uma psicopata é uma vencedora conseguiu sair do lixão ainda que fosse por vias ilegais e armações mas foi merito dela e a Adriana Esteves carrega 70% da novela em sua interpretação.Ela esta otima no personagem !

guelito disse...

faltam coadjuvantes que participem mais da história.inguem sabe de nada!

mario disse...

novela chata vejo a Adriana Esteves e lembro de toma lá da cá! não tina ninguem melhor para esse papel não? e Debora Falabela então...com aquela cara de choro...e Murilo Benicio tem pior ator que ele? ah! tem Marcio Garcia kkkkkkkk!

Anah disse...

a melhor vilã de todos os tempos sem dúvidas é a FLORA e acho que não é necessário nem discutir sobre isso! a Carminha é mal caráter e tranbiqueira só isso!!!maldade de verdade quem fazia é a FLORA,uma mulher piscopata que não tinha sentimentos por ninguém nem pela filha,macabra seua assassinatos nos causava arrepios,seu jeito doce enganou todos da novela e até o publico!!! Em fim a FLORA foi imbatível e entrou pra história e vive na lembrança do telespectador que sonha em um dia ver uma vilã que possa ser comparada a ela,o que eu acho dificil pois a atuação da excelente Patricia Pilar foi impecável,muito dificil de ser superada... FLORA PRA SEMPRE,INESQUECIVEL!!!! S2

Postar um comentário

Twitter Facebook Adicionar aos Favoritos Mais

 
Tecnologia do Blogger | por João Pedro Ferreira