sábado, 8 de agosto de 2009

Os Melhores Filmes de todos os tempos

Continuando as listas de melhores e piores do blog, chegou a hora de falar de Cinema! Num universo tão cheio de obras de qualidade (diferente da de novelas, que chegava a ser difícil encontrar 10 boas), creio que pra maioria dos votantes (Daniel César, vulgo demo, e mais 9 de seus amigos, incluindo o mais bonito, sábio e inteligente, esse que vos escreve), foi tarefa difícil escolher apenas 10. O resultado traz algumas surpresas, alguns filmes óbvios, presentes em qualquer lista do gênero, ausência de outros que sempre figuram nessas listas de “tops”, mas a lista é nossa e entra quem a gente quer! Vamos então à lista dos 10 melhores filmes de todos os tempos:

10º O Poderoso Chefão – Parte II - 1974



Direção: Francis Ford Coppola
Roteiro: Francis Ford Coppola e Mário Puzo

Considerado por muitos como um dos raríssimos casos em que a segundo parte consegue superar o manter o nível do original, O Poderoso Chefão II continua a história da saga da família Corleone, contando paralelamente duas histórias: a de Vito Andolini (Robert DeNiro, vencedor do Oscar de ator coadjuvante pelo papel), sua juventude na Sicília e a chegada à América daquele que veio a se tornar Don Vito Corleone, e a de seu filho Michael (Al Pacino), já no papel de Don assumido após a morte do pai, cada vez mais poderoso, temido e paranóico, o que nos rendeu uma das cenas mais chocantes do cinema: após descobrir que o irmão Fredo o havia traído, Michael lhe dá o “beijo da morte”, seguido da clássica frase “I know it was you, Fredo. You broke my heart.” E a seqüência da “pesca” (não igual a da música) num barco. O Poderoso Chefão II iniciou também uma discussão que se mantém até hoje entre os fãs da série: quem foi o melhor Don: Vito ou Michael? Enquanto um foi respeitado por todos e um homem amado pela família e amigos, o outro foi respeitado muito mais pelo medo, se tornou um homem solitário, mas muito mais poderoso que o próprio pai. O filme, de 1974, foi vencedor de 6 Oscars (incluindo Melhor Filme, sendo a primeira seqüência a conseguir tal feito) e várias outras premiações e abre a nossa lista em 10º Lugar.

9º O Silêncio dos Inocentes - 1991



Direção: Jonathan Demme
Roteiro: Ted Tally

Um grande depende, inicialmente de três fatores básicos para poder ser considerado “grande”: direção, roteiro e atuações. O Silêncio dos Inocentes conseguiu como poucos levar esses três fatores a níveis altíssimos. Jodie Foster é Clarice Starling, agente recém-formada no FBI envolvida na investigação de um serial killer responsável por vários assassinatos. Para isso, conta com a ajuda de um outro serial killer, Hannibal Lecter, preso e condenado ao corredor da morte e que tinha o curioso hábito de deglutir pedaços de suas vítimas. O roteiro nos brinda com diálogos sensacionais entre Lecter e Starling e a direção de Demme, que até então não havia feito nenhum filme muito relevante, consegue criar um clima de tensão a cada cena. Mas é Anthony Hopkins e seu Hannibal talvez o maior responsável pela enorme admiração do mundo pelo filme, considerado por muitos como a obra mais importante do cinema nos anos 90, assim como a sua atuação é apontada como a, ou uma das, maiores da história, conseguindo criar no espectador sentimentos de admiração, horror, pena e até mesmo fazer pensar que ele poderia vir a ser um homem bom, e não um cruel assassino.
Com todas essas qualidades, O Silêncio dos Inocentes saiu vencedor dos 5 principais prêmios no Oscar, feito obtido por apenas outros dois filmes, e fica no 9º lugar por aqui.

8º O Senhor dos Anéis – O Retorno do Rei - 2003



Direção: Peter Jackson
Roteiro: Peter Jackson

Terra média. Hobbits. Elfos. Magos. Anões. Orcs. Palavras já conhecidas dos fãs de Literatura de fantasia dos livros de J.R.R. Tolking, e que era considerada como impossível de ser adaptada para os cinemas. Até que um desses fãs, Peter Jackson, resolve se aventurar a tornar real todo o universo imaginado por Tolking. Lançado em 2003, O Retorno do Rei é a terceira e última parte dessa tremenda aventura de tirar o fôlego. Nela, os anõezinhos de pés peludos Frodo (Elijah Wood) e seu fiel escudeiro Sam (Sean Astin) são guiados pela criatura esquizofrênica Gollum (Andy Serkis) a Mordor, para destruir o Um-Anel e, cocnsequentemente o Senhor das Trevas Sauron. Enquanto isso, o mago Gandalf (Sir Ian Mckellen), o elfo Légolas (Orlando Bloon) e o anão Gimli (John-Rhis Davies) vão com o humano Aragorn (Viggo Mortensen) para que ele cumpra o que o título do filme diz. Batalhas épicas, efeitos especiais que não é exagero chamar de perfeitos, emoção do início ao fim e um leve sentimento de tristeza ao fim, por saber que ali terminava a maravilhosa experiência que era acompanhar essa obra prima. O Retorno do Rei foi, assim como os dois filmes anteriores, um enorme sucesso de público e crítica, sendo a segunda maior bilheteria da história do cinema, com mais de 1 bilhão de dólares arrecadados, o maior vencedor do Oscar (ao lado de Titanic e Bem Hur) com 11 estatuetas e o 8º lugar na nossa lista de melhores filmes.

7º O Fabuloso Destino de Amelie Poulan - 2001



Direção Jena-Pierre Jeunet
Roteiro: Guillaurne Laurant

Única produção não-americana a figurar no nosso top 10, o filme francês O Fabuloso Destino de Amelie Poulan conta a história da personagem-título, Amelie, jovem que foi criada praticamente isolada do mundo, graças a educação recebida dos pais, e que tinha um peixinho de estimação suicida. Ao se mudar para Paris, começa a trabalhar como garçonete e, um belo dia, encontra no seu banheiro uma caixa com objetos pessoais escondia há mais de 40 anos, e fica sabendo que pertenciam ao antigo morador do apartamento. Decide então entrega-la ao seu dono e, ao realizar, fica encantada com a felicidade do sujeito e descobre o prazer de levar alegria às pessoas, o que a leva a encontrar um novo sentido para sua vida. Passa então a realizar pequenos gestos para ajudar as pessoas em volta, ao mesmo tempo em que descobre que faltava algo, até que num desses pequenos gestos encontra um homem por quem se apaixona e que seria o responsável por completar sua felicidade. Amelie Poulan consegue ser ao mesmo tempo cômico e dramático, impressiona pela belíssima fotografia, e foi um grande sucesso de crítica, tendo concorrido em diversas premiações e se tornado um filme adorado pelos fãs de cinema “cult” é o nosso 7º colocado.

6º Star Wars IV – Uma Nova Esperança - 1977



Direção: George Lucas
Roteiro: George Lucas

“Há muito tempo, numa galáxia muito muitodistante...” (talvez daqui o dono do blog tenha tirado a maneira de escrever “muito, muito”). Com essas palavras, iniciava em 1977 o filme que revolucionou para sempre o conceito de cinema. Uma história simples, baseada na luta universal entre o bem e o mal, representado respectivamente pelos jedis e siths, e por isso mesmo atual em qualquer época. Mas não era apenas uma história entre o bem e o mal. Era uma luta entre o bem e o mal com batalhas entre naves no espaço, lasers, andróides, sabres de luz, criaturas exóticas, macacos gigantes, monstrinhos verdes peludos que as frases ao contrário de falar gostam, efeitos especiais nunca antes vistos e o que é considerado o maior vilão de todos os tempos: Darth Vader. Cabia a Luke Skywalker (filho de Vader, como o filme seguinte revelou) a missão de destruir o sith e trazer de volta o equilíbrio à força. Para isso é treinado pelo seu mestre Obi-Wan Kenobi (Alec Guiness) e conta com a ajuda da princesa Leia (Carrie Fisher) e Han Solo (Harrisson Ford, e Hans hot first!), entre outros. Todos esperavam um fracasso total, inclusive a produtora, o que a levou a inclusive deixar os direitos de produção com Lucas (hoje bilionário). O fracasso veio a se tornar a maior bilheteria do ano e uma das maiores até hoje, gerou uma franquia de estimados 20 bilhões de dólares em faturamento, tornou-se algo maior do que simplesmente o universo do cinema e se consagrou como um ícone da cultura pop mundial, adorado por uma legião de fãs e odiado por outros tendo, segundo a lenda, criado até mesmo uma religião. O Jedaísmo. Com tudo isso, na nossa lista de melhores filmes com 6º lugar Star Wars fica.

5º Titanic – 1997



Direção: James Cameron
Roteiro: James Cameron

A história do desastre do navio que “nem Deus seria capaz de afundar” foi contada em 1997, e já nasceu com ares de superprodução, com a réplica do navio original, o enorme orçamento e toda a expectativa gerada. O filme inicia com a velhinha Rose (Gloria Stuart) assistindo na TV uma reportagem sobre uma expedição ao Titanic em busca de um colar que pertencia a um dos passageiros. Rose então entra em contato com os responsáveis pela expedição, e passa a contar sua história. Já jovem interpretada por Kate Winslet, embarca na primeira classe do navio com seu noivo (Billy Zane). Lá, conhece o pobretão Jack (Leonardo DiCaprio), por quem se apaixona, e os dois passam a protagonizar a história de amor que fez palpitar os corações de todas as garotas da época. Mas Titanic é muito mais que isso: o filme consegue unir amor, tragédia, alegria, sofrimento, ação e se tornou um fenômeno de crítica e público. Enquanto os filmes costumam começar com uma bilheteria gigantesca e ir caindo com o tempo, Titanic iniciou com “modestos” 25 milhões de dólare, mas conseguiu manter ou subir esse valor durante vários meses. Não é raro encontrar pessoas que foram ao cinema 3, 5, 10 vezes assistir ao filme, fato de causar inveja aos fãs mais xiitas de quadrinhos. É a maior bilheteria da história, é o maior vencedor da história do Oscar (ao lado de Bem-Hur e O Senhor dos Anéis – O Retorno do Rei) e é o 5º colocado no nosso top 10.

4º Laranja Mecânica - 1971



Direção: Stanley Kubrick
Roteiro: Santley Kubrick

Welly welly welly well... nosso 4º colocado não é a seleção da Holanda, como muitos podem pensar, é o clássico adaptado do livro de Anthony Burgess por Stanley Kubrick. Se há uma palavra que pode sintetizar esse filme, sem dúvida seria “violência”. Violência física, violência psicológica, até mesmo a impossibilidade de ser violento traz violência a Laranja Mecânica, tanto que foi tirado de cartaz no Reino Unido pelo diretor, devido às críticas de que seria violento demais, o que o levou a afirmar que só permitiria que fosse exibido por lá após sua morte. O protagonista é Alex DeLarge (Macolm Macdowell) e seus droogs, uma gang que se “divertia” de uma forma deveras alternativa: destruindo, batendo, estuprando, matando.
Quando a polícia o consegue pegar, Alex é submetido a um tratamento de reabilitação, em que é drogado e obrigado a assistir cenas de violência, de forma que passa a relacionar essas ações à dor que sentia no tratamento. Apesar de toda a violência contida no filme, em momento algum ela parece desnecessária ou banal, e Kubrick consegue como ninguém nos fazer refletir, nos incomodar com uma realidade que parece não ter época, já que quase 40 anos depois, o filme de 1971 ainda parece completamente atual. A produção de Laranja Mecânica é também cercada de curiosidades, como o fato de Kubrick ter colocado uma cobra no set ao descobrir que Macdowell tinha medo delas, ter inspirado um cd da banda brasileira Sepultura, e ter sido feito com um orçamento de U$ 2 milhões. Kubrick era um gênio e provavelmente o cineasta mais completo que já existiu, e uma de suas obras-primas foi o filme mais votado pelos 10 participantes (7 pessoas votaram nele) e consegue o 4º lugar.

3º Sociedade dos Poetas Mortos - 1989



Direção: Peter Weir
Roteiro: Tom Schulman

Sociedade dos Poetas Mortos narra a história do professor de literatura John Keating (Robin Williams) e seus alunos da Wlton Academy, uma rígida e tradicional escola, cujos valores os alunos são obrigados a repetir em coro: tradição, honra, disciplina e excelência. Com seus métodos nem um pouco adequados ao estilo da escola, Keating acaba encontrando a resistência dos superiores e, ao mesmo tempo, o respeito e admiração dos alunos. Ao descobrirem que o professor havia estudado na mesma escola e feito parte de uma “sociedade secreta” (que dá título aofilme), os alunos, liderados por Neil Perry (Robert Sean Leonard) e Todd Andersen (Ethan Hawke) descobrem que a Sociedade dos Poetas Mortos tratava-se de um grupo de estudantes que se reunia às escondidas para recitar poemas, criar versos, a “viver intensamente e não, ao morrer, descobrir que não havia vivido”, como no poema de Thoreau que recitam ao decidirem fazer o mesmo. Mas não apenas isso, os ensina e motiva a mudarem completamente seus estilos de vida, a viverem da forma como sempre sonharam, a valorizar sua liberdade, princípios que todos decidem seguir à risca. Sociedade dos Poetas Mortos é uma obra profunda, sensível e que influenciou e influencia jovens sonhadores, e por isso encontra lugar no pódio em 3º lugar. Darpe Diem. Aproveitem o dia, garotos. Tornem extraordinárias as suas vidas.

2º Os Bons Companheiros - 1990



Direção: Martin Scorcese
Roteiro: Nicholas Pillegi

“Até onde eu consigo lembrar, eu sempre quis ser um gângster”. Essa é a história de Henry Hill (Ray Liotta), norte-americano meio italiano, meio irlandês e de como ele, desde garoto se envolveu entre os mafiosos. Ainda garoto acaba se tornando o protegido de um mafioso e, junto com seus amigos Jimmy Conway (Robert DeNiro) e Tommy DeVito (Joe Pesci) com o passar do tempo vai se enveredando pelo mundo do crime, apesar de não poder se tornar um membro da máfia. Tendo o próprio protagonista como narrador, nós acompanhamos toda a sua trajetória, o início, a asenção, o declínio... Martin Scorcese, fã declarado do gênero, usa toda a sua genialidade para retratar o glamour da máfia, já mostrado em outras obras, e ainda assim priorizar o “submundo” da mesma e um “american way of life” à sua própria maneira, sem com isso tirar o fascínio que o universo da máfia costuma causar no espectador. As técnicas de filmagem utilizadas pelo diretor são um show à parte, repletas de metáforas e uma criatividade gigantesca, sendo clara influência para diversos filmes, como o brasileiro “Cidade de Deus”. As atuações são outra grande qualidade do filme: seu ator queridinho, Robert DeNiro, como todos os filmes em que fez parceria com Scorcese está espetacular. Até o Ray Liotta está bem. Mas é de Joe Pesci a grande atuação do filme, com o papel que lhe rendeu um Oscar. Os Bons Companheiros é o filme de gangster definitivo, e o 2º lugar no top 10 de melhores filmes.

1º O Poderoso Chefão - 1972



Direção: Francis Ford Ccoppola
Roteiro: Mario Puzo e Francis Ford Coppola

Baseado no livro de Mario Puzo (roteirista também do filme), Coppola apresentou ao mundo em 1972 a primeira parte do que seria a mais aclamada trilogia da História do cinema: O Poderoso Chefão. Nele tem início a história da família Corleone, e mostra a sucessão de Don Vito (Marlon Brando), que preparava seu filho Sonnuy (James Caan) para assumir o papel de chefe da família de mafiosos, cujo papel acaba sendo realizado por Michael (Alo Pacino). O filme conta com inúmeros personagens complexos (Kay, Fredo, Tom, Barzini, Tataglia, Clemenza, Tessio, etc); frases inesquecíveis (“Bonasera, Bonasera... o que eu fiz para que me trate com tanta falta de respeito?”, “Eu farei uma oferta irrecusável”, “Deixe a arma, pegue o Canolli.”, etc) e cenas maravilhosas (a festa de casamento, a cena do cavalo, a morte de Sonny, Don Vito e o neto na plantação de laranjas, e tantas outras), além de várias curiosidades, como a de que sempre que laranjas aparecem em cena, tragédias acontecem; vários atores hoje consagrados e que fizeram testes para papéis e não foram aceitos, outros que recusaram e devem se arrepender até hoje; a cabeça de cavalo que aparece numa das cenas e que é de um cavalo de verdade. Mas é impossível falar de O Poderoso Chefão e não falar de Marlon Brando: mesmo já tendo feito papeis importantes, ganhado prêmios por atuações, Brando sempre foi um arruaceiro, e por isso os produtores não o queriam. Coppola, porém, não aceitava mais ninguém para o papel de Don Vito – Frank Sinatra bem que tentou – e deu uma de bobinho: o convenceu a gravar uma cena de “brincadeira”, mostrou para os produtores que se impressionaram. Daí surgiram os algodões nas bochechas, que não estavam previstos para o papel, mas que o ator encontrou pela frente e resolveu usar, assim como o gato que ele aparece acariciando na cena inicial, e várias outras situações fruto da formação que ele, assim como DeNiro, Pacino e outras atores tiveram, em que qualquer elemento presente era um possível objeto dramático. O resultado disso tudo foi uma das (a, para muitos) maiores atuações de sempre, e um Oscar recusado, em que uma falsa índia foi recebe-lo no lugar do ator. O Poderoso Chefão é um marco na História do cinema, uma obra completa e cultuada por décadas em todo o mundo, e fecha nossa lista como o melhor filme de todos os tempos!

Texto de Jailson Júnior

12 Quebraram tudo:

Ed Cavalcante (POST SÉRIES) disse...

Titanic????????? Sério??????? Rapaz, não gostei desssa lista. Senhor dos Anéis também não entraria. Se bem que listas são sempre injustas, envolvem gosto, que é absolutamente subjetivo.

Abraço!

Daniel César disse...

Não nesse caso, Ed. Titanic é uma produção que revoluciou o jeito de se fazer cinema, assim como O Senhor dos Anéis. Ambos os filmes, mesmo que não caiam no seu gosto, são importantes para a história do cinema. Nossa lista não considera apenas o gosto pessoal, mas uma série de fatores.

Carlos disse...

a lista mais justa até aqui. todos os filmes mereciam realmente estar no top 10, alguns em posiçoes melhores, como poderoso chefao 2 e o silencio dos inocentes.. mas.. uma bela lista.!

Jay disse...

De fato a mais justa... pra mim o unico grande exagero é amelie poulain aí... apesar de eu gostar mais do que de titanic e silencio dos inocentes, por exemplo, pra um top10 é muito...

Anônimo disse...

Tudo filme velho e chato dxa de se ser BBBBUURRRRRRROOOOOOOOO

Anônimo disse...

Não posso concordar com alguns filmes tipo O Fabuloso Destino de Amelie Poulan é um lixo de film mto chato e mal feito assim como alguns outros, mas tb possui filme mto bons como O Poderoso Chefão,O Silêncio dos Inocentes e Sociedade dos Poetas Mortos, sinceramente vc é mto cliche nas suas escolhas parecendo ser mtas veses uma criança mimada que não sabe oque quer

Anônimo disse...

Pessima lista filmes como Titanic e Senhor dos Anéis deviam estar em primeiros. Filmes como Laranja mecanica e O fbuloso destino de num sei nem quem são verdadeiros lixos tenho até nojo de olhar pra capa prefiro ver todos os filmes da Barbie. Muito fraco e imbesil quem escreveu essa porcaria que não tem nem como chamr de lista

Anônimo disse...

tudo bem gosto não se discute , mas deixar de fora filmes que mudaram o jeito social de tratar uns aos outros é uma pna , eu falo de filmes como MISSICIPE EM CHAMAS , AO MESTRE COM CARINHO , BEN HUR , UM SONHO DE LIBERDADE s sem falar no melhor filme de guerra que ja asisti CIRCULO DE FOGO quem não viu pode ver que não ira se arrepender.

Anônimo disse...

Gosto não se discute, e cada um vai ter sua lista dos 10 melhores. Para mim, tem que estar no topo O Poderoso Chefão e o Vento Levou, depois disso, cada um por si...

Anônimo disse...

so filme veio

Pedro (canal no Youtube: Pedro85192) disse...

Que lista ruim.
Onde estão:

Cidadão Kane (1941)
E o vento levou (1939)
Casablanca (1942)
Cantando na chuva (1952)
2001, uma odisséia no espaço (1968)
Touro indomável (1980)
Lawrence da Arábia (1962)
Psicose (1960)

Os unicos filmes que merecem estar aí são:

O poderoso chefão parte 2 - 1974 (Que não deveria estar entre os 10 melhores, e sim entre os 30)

Star Wars (1977)
Laranja mecânica (1971)
O poderoso chefão (1972)

O senhor dos anéis (2003), nunca deveria estar, muito menos O silêncio dos inocentes
e que filmes são esses?

Sociedade dos Poetas Mortos (1989)
O Fabuloso Destino de Amelie Poulan (2001)

Meu Deus, que lista péssima.

Lalah_Bivar disse...

Primeira vez que leio seu blog, amei!

E só pelo fato do meu filme preferido "Sociedade dos Poetas Mortos" estar nesta lista, ja fiquei feliz. :D Falaram aí em cima e realmente acho que faltou Ben Hur, tipo minha opinião. :P

Enfim, uma boa lista e ótimos posts tbm!
Acompanharei seu blog!

Postar um comentário

Twitter Facebook Adicionar aos Favoritos Mais

 
Tecnologia do Blogger | por João Pedro Ferreira