quinta-feira, 4 de julho de 2013

Telespectador Brasileiro é atrasado

Produção de TV vai muito além que enxergar pequenos pontos manchados e torná-los análises fundamentais para se entender o comportamento do público. Televisão não pode - e nem deve - ser entretenimento passivo. Não se pode esperar que um meio de comunicação de massas se renda exclusivamente ao gosto do público. Em primeira análise, essa afirmação pode soar absurda, mas está longe de ser equivocada. 

O Brasil é um país atrasado em diversos segmentos - talvez por isso estamos diante de um momento histórico de protestos - mas, levando toda essa onda para a teledramaturgia, pode-se afirmar sem medo de exagero que o telespectador brasileiro é atrasado. A máxima é simples e verdadeira, ora, se o país é atrasado em praticamente tudo, evidente que seu povo é atrasado também, inclusive quando falamos de busca correta por entretenimento. A analogia perfeita neste caso se dá com uma criança que quer tudo, mas cabe aos responsáveis saber o que pode e o que não pode e ensinar esta criança. É isso que a produção de TV deveria fazer com o público: ensinar.

As grandes referências de sucesso atual na TV mundial são tipos complexos e que fogem do arquétipo do bom moço ou do pior vilão. Em Breaking Bad - série americana sucesso de crítica - o protagonista fabrica drogas. Homeland, outro sucesso da TV americana, a mocinha sofre de bipolaridade e se envolve com quem, supostamente, teria de investigar. Países desenvolvidos compreenderam, também na teledramaturgia, que ninguém é puramente bom ou mau e conseguem humanizar personagens complexos a ponto de construírem tipos inesquecíveis.

No Brasil essa tarefa parece muito mais árdua. O público brasileiro parece somente conseguir torcer para dois tipos de personagens. A mocinha que é a personificação da bondade e pureza ou para os vilões tórridos, mas com veia cômica. Muitas novelas já sofreram hecatombes de críticas ao se verificar uma tentativa de mudar este cenário. América teve sua protagonista rejeitada porque ela escolheu seu sonho de morar nos EUA a viver a história de amor proposta. Mesmo em sucessos, como Avenida Brasil, o público se incomoda. Houve - muita gente - quem criticasse o fato de Nina optar pela vingança e deixar em segundo plano seu amor por Jorginho.

A prova do atraso do público brasileiro se dá em Sangue Bom. A construção semiótica da protagonista Amora vem se mostrando complexa e rica em detalhes. Uma pessoa cheia de conflitos e que caminha o tempo todo na tênue linha entre a vilania e a bondade. A personagem é uma construção quase semântica do ser humano. Amora não é boa ou má, ela é influenciada pelo meio em que vive, como qualquer um de nós. As linhas fortes do texto competente de Maria Adelaide Amaral e Vincent Villari apresentaram uma personagem tão rica que permite a Sophie Charllote sua melhor interpretação na TV. A atriz soube construir a personagem com a fúria necessária para quem vive em meio a lobos, mas também que sabe viver intensamente aquilo que acredita. Ponto para a atriz.

Ainda assim, o público não consegue torcer pela mocinha. Segundo resultado da pesquisa que a emissora faz junto ao público - divulgada pela jornalista Patrícia Kogut - o telespectador torce por Bento, mas não consegue torcer por Amora, embora queira. Isso significa que o público não compreendeu a proposta da personagem e, consequentemente, não compreendeu a proposta da trama.

Entendo que seja muito mais fácil conquistar o telespectador criando caricaturas de representação do bem, como é o caso da mocinha de Amor à Vida, Paloma (Paolla Oliveira). Mas produtos que fogem do óbvio e buscam sutileza e profundidade produzem um resultado muito melhor, no que concerne à reflexão.

É preciso encontrar meios para que o público compreenda que a ambiguidade de Amora não é um comportamento tortuoso ou uma falha, mas é uma construção de personalidade e é justamente isso que dá todo o charme, mas não se pode abrir mão da proposta apenas para agradar. Sangue Bom é a melhor novela no ar - e uma das melhores do horário - e é preciso cuidado para não abrir mão de toda sua estrutura muito bem construída simplesmente para tentar melhorar índices de audiência.

9 Quebraram tudo:

Rodrigo Rocha disse...

O grande problema do telespectador brasileiro, ao meu ver, é que na verdade ele não quer se enxergar na televisão. Ele quer enxergar uma caricatura dele mesmo. Gosto muito quando citas as séries norte-americanas pois lá vemos muitos casos que nunca se aplicariam aqui: já imaginou algo como Weeds dar certo no Brasil? Ou então Dexter? Nip/Tuck?
Ou seja, existe um moralismo exacerbado que polariza os opostos, sem defini-los como seres humanos que são. Notou que as pessoas não gostaram do final de Avenida Brasil, muito pelo fato de Carminha ter sido perdoada por Nina e vice-versa? Como se o perdão e o arrependimento não fizem parte do ser humano.
No caso das novelas, o que noto, é que o telespectador que ver na novela um embate que não tem coragem/oportunidade de travar na vida real, e execra tudo aqui que pode se aplicar a ele mesmo com maior naturalidade/realidade.

Fernanda disse...

Muito pertinente seu texto! É uma pena que muitos telespectadores estejam presos a visões maniqueístas que limitem o entendimento de uma personagem tão rica em construção e que se encaixa totalmente nos temas propostos pelos autores. Soma-se a isso a rejeição à própria atriz por parte de um público que infelizmente não sabe separar ator de personagem e o que temos é o entendimento limitadíssimo que a trama principal de Sangue Bom é somente uma disputa para descobrir qual a personagem mais merecedora do amor do protagonista incorruptível. Acho que os autores precisam dosar a oposição de comportamento entre os personagens politicamente corretos e a protagonista ambígua para que o público conservador e limitado possa compreender a trama

Thallys Bruno disse...

Olha, Demlo, eu nunca duvidei da complexidade da Amora e de sua trama, já que ela também sofre muito na mão da mídia (Sueli Pedrosa, p. ex). Mas sempre deixei claro que o meu problema se chama Sophie Charlotte. Discordo totalmente desses elogios que ela vem recebendo porque não gostei de sua escalação, vejo-a se repetindo muito em relação a outros papéis como Stefany de TiTiTi e Amália de Fina Estampa e acho que ela exagerou no tom da arrogância natural da Amora. E essa atuação fraca é o que me impede de torcer por sua redenção (como nas cenas em que ela está junto de Bento), apesar de algumas cenas mais contidas em que a vejo acertando. Pra mim, esse papel ficaria perfeito na mão da Marina Ruy Barbosa ou da Giovanna Lancelotti, que pra mim dosariam melhor o lado arrogante da personagem.

E como prova de que meu problema é com a atriz, a Nina, outra personagem com o mesmo grau de complexidade, pra mim foi sensacional mesmo em meio a tantas reclamações. Eu adorei a composição que a Débora Falabella deu e sempre torci para que ela priorizasse a vingança (até porque com um mala feito Jorginho como par romântico...).

Já no caso da Paloma, não vejo tanto bem assim porque a vejo impulsiva demais, se consumindo de um ódio por Bruno (em relação ao sequestro de Paulinha) em que ela o vê como um bandido frio sem dar qualquer chance de defesa. E nos últimos capítulos, ela se conflita demais porque vê a relação do mesmo e tem receio de afastar a filha por conta disso.

Respeito tua opinião, mas não me considero atrasado por não me identificar com a personagem Amora. A personagem é fascinante, mas pra mim, a atriz não passa a verdade dessa complexidade toda.

Leddy Silva disse...

Sangue Bom é a melhor novela no ar. Gosto muito de toda essa complexidade da Amora assim como gostava da Nina. Entendo toda a complexidade da Amora o medo,agressividade,etc....espero que os autores nao queiram mudar o rumo da trama por causa de alguns telespectadores mas tenho certeza que a audiencia ira melhorar daqui pra frente!

Leddy Silva disse...

Adoro a Amora entendo muito todo o medo dela,fragilidade,agressividade,etc.....sem duvidas Sangue Bom é a melhor novela no ar. Espero que os autores que sao geniais nao mude o rumo da historia por causa de alguns telespectadores e por causa da audiencia mediana,mas creio que a audiencia ira melhorar.

Valéria disse...

Perfeito seu texto, adorei, e discordo de um ponto do Thallys Bruno, a Nina pode até ter o mesmo grau de complexidade, mas foi trabalhado isso como um todo nela, afinal, quem não se revoltou ao ver as cenas da Rita? em Sangue Bom, os autores só mostraram mais o lado errado da Amora, e quase nada de sua infância, além dos momentos com o Bento. Pra mim, isso aí é argumento de quem realmente mistura ator e personagem, nada a ver!!

JULLI☺ disse...

Odeiooo a Amora e acho impossível torcer por ela.A Sophie Charlotte tbm não ajuda muito....falta talento e carisma à atriz. #pronto,falei.Acho a Malu muito bem construída pela TALENTOSA da Fernanda Vasconcellos e q não lembra nadinha das outras mocinhas q ela já fez.
Adoroo SangueBom.

Thallys Bruno disse...

Eu? misturar ator e personagem? agora por acaso eu não tenho direito de criticar a atuação da Sophie, Valéria? Francamente...

jully disse...

Concordo que o publico rejeitem mocinhas como amora mais não acho que querem mais as mocinhas santas estamos em um tempo que essas não fazem mais sucesso e pior ainda ficam irreais acho que hj em dia estamos provando o remedio contrario pois os autores estão optando por fazerem os mocinhos assim é só ver os exemplos bruno jorginho o que apesar de eu gostar por haver de uma forma mudança tambem acho irreal tambem pois se ver uma mulher adulta tão inocente imagina um homem que sabemos ve muita mais a maldade e malicia alheia que a mulher e não acho que o fracasso da protagonista esteja no carater e sim por não haver motivo para tal sei que muitos vão me questionar mais é isso o que eu penso amora foi sim abondanada pela irmã mais por que não tinha condoções de cria-la mais fora o abondono e a pobresa não tem mais nenhum motivo imagina se toda a criança abandonada e pobre virasse uma amora foi amada no lar de gilson teve bento que sempre a amou sou seja cade o motivo pra ser quem é todo trauma que ele alega ser o motivo que pra mim não é desculpa ai alguem vai me dizer ela foi manipulada por barbara elen sim mais não fez a minima questão de resistir para ela sempre foi muito comodo sair de uma vida pobre adotada por uma mãe rica e virar celebridade tinha sim como fugir desse mundo é só olhar os irmãos todos filhos de barbara eles e nenhum como amora e discordo que sangue bom seja a melhor novela no ar pra mim é a pior novela de maria adelaide amaral mais isso não a faz ruim

Postar um comentário

Twitter Facebook Adicionar aos Favoritos Mais

 
Tecnologia do Blogger | por João Pedro Ferreira