quarta-feira, 20 de julho de 2011

Estreia de A Fazenda foi bucólica

Cheia de alarde, com teasers provocativos - o estilo Rede Record de fazer televisão, como todos já se acostumaram - tentativa de mistério em torno do elenco e estratégia duvidosa de alavancar a grade de programação, a emissora estreou na noite da última terça-feira seu principal produto, o carro chefe de sustentação desde 2009. A 4ª edição do principal reality show off-Globo, A Fazenda.

Se, em um único episódio, foi impossível determinar a qualidade do elenco apresentado, afinal, em pouco mais de uma hora de exibição, não houve nada que desse sustentação a uma análise um pouco mais crítica dos participantes desta edição. Mesmo tratando-se de sub-celebridades jogadas ao esquecimento já há um bom tempo, a exceção em relação aos outros anos foi que, ao menos, a maioria do elenco escolhido trata-se de pessoas que já conseguiram grandes momentos na mídia, não sendo portanto, os "famosos desconhecidos" como vimos em outras edições.

Falando especificamente desta estreia, o que se viu no ar foi um programa bucólico. E isso não é um elogio. Este primeiro programa que serviu para apresentar ao público os peões, mostrando suas chegadas e um pouco de cada um deles foi tão modorrento que, em alguns momentos, a vontade do público certamente foi encontrar uma rede preguiçosa para deitar. Entre todas as edições, a parte de apresentação dos participantes de A Fazenda 4 certamente só não foi pior que o da Fazenda 1 - pior apresentação da História de todos os realities shows no mundo inteiro.

Além do clima lento, quase parando, os erros técnicos atrapalharam bastante o desempenho geral do programa. A impressão que se tinha em alguns momentos era de não haver nenhuma espécie de roteiro a se seguir, o que tornou o programa uma bagunça e boa parte do que foi dito não servia para nada. Brito Júnior, cada vez mais seguro de si, continua muito abaixo do que seu papel exige. O excelente jornalista começa a deixar claro que nunca será um bom apresentador de um formato assim e, sua presença, quase sempre mais atrapalha do que ajuda. Ele não consegue a química adequada junto ao elenco e muito menos ao telespectador.

Se A Fazenda 4 vai emplacar é difícil dizer. A decisão de recolocar um ex-peão foi precipitada - afinal são só 04 anos - e, claramente manipulada, ou alguém acha que a Monique Evans tem alguma chance de não ser a escolhida contra duas concorrentes que não significaram nada para o público? - mas pode ser que dê certo. Mesmo com a forte concorrência, a Globo se preparou muito para competir, o resultado pode não ser tão catastrófico para a emissora da Barra Funda. Porém, se os outros episódios forem como a estreia, o público tem uma excelente opção para dormir no sofá.

Em tempo: A Fazenda 4 estreou com 17 pontos de média, segundo a prévia, desempenho abaixo do esperado e muito abaixo dos 20 pontos de média da edição passada. Desta vez, os 20 pontos não vieram nem no pico.

5 Quebraram tudo:

Ary disse...

Caraca!!!

É incrível como salta aos olhos sua má vontade para com qualquer programa da Record.

Eu já tenho opinião diferente e acho que o apresentador Brito Jr. evoluiu muito como apresentador, e ao contrário do que vc afirma, tem sim química com o público.

Falar em falhas técnicas num programa como esse é chover no molhado, já que é ao vivo. Cá e acolá acontecem alguns erros e isso é inevitável.

Curioso é que quando o BBB pagou um micão com provas mal engendradas você não falou um "a" sobre o assunto. Ao contrário, fez vistas grossas e continuou tecendo loas ao programa global. Que estranho!! Mas vamoquivamo.

Acho que esses personagens que lá foram colocados tem tudo para fazer o trem pegar fogo e fazer A FAZENDA bombar. Se vai acontecer só o tempo dirá.

A julgar pela estréia, ao contrário no que diz seu texto, acho que tem tudo para decolar.

Em tempo: A FAZENDA 4 marcou 17 pontos de média, desempenho bom e dentro dos parâmetros, lembrando que dessa vez competiu com um produto forte da Globo (O astro) diferente das anteriores que competiram com programas fracos ( Fantástico, Domingo Maior e debate eleitoral)

Em tempo 2: A FAZENDA derrubou a audiência do Astro, que na terça-feira passada havia marcado 28 pontos.

Paulo Roberto Montanaro disse...

Acompanho o blog sempre e gosto, em geral, dos textos apresentados. Mas quando se trata desses reality shows, eu tenho duas opções: ou rir, ou lamentar.

Sério mesmo que o grande parâmetro de comparação é o BBB? Não é um absurdo blogueiro e comentarista ficarem discutindo qual é o melhor, ou qual tem uma estrutura mais interessante, etc? E o pior: nesse caso, o quesito para dizer se vai ser bom ou não é se o elenco vai botar fogo na bagaça. Não estamos descendo muito baixo?

Em tempos onde estamos falando de ótimos produtos, como "Cordel Encantado" e "O Astro" (no Brasil), e "Games of Thrones" e "Mad Men" nos EUA, onde a dramaturgia parece renascer com toda força, a gente vai dar mais passos atrás falando de "elenco" de reality show, onde a única forma de entretenimento é a macaquização do ser humano e a melhor forma de fazer é esperar um quebra-pau de baixo nível? Não seria melhor assistir rinha de galo pra ver isso? Ah é.. é proibido porque galo não briga pra chamar a atenção...

Sugestão: que tal abandonar essas porcarias de baixo nível técnico, linguístico, estético e conteudístico para falar de coisas mais interessantes e que realmente acrescentam, mesmo como entretenimento, ao espectador?

Enfim, peço desculpas pelo desabafo, mas todo começo e meio de ano é a mesma coisa...

[]s

Marlon Kraupp disse...

Não vou ler o texto, desculpe. O Assunto não me interessa, Realitys nesse estilo já não me encantam mais. Na verdade A Fazenda nunca me encantou... Brito Jr é péssimo como apresentador ( nesse estilo ) .. A edição nunca fica muito legal, a unica coisa que é de tirar o chapéu são as provas...

Mas em fim, o amigo ary ali em cima esta um pouco equivocado quanto A A fazenda ter derrubado tanto O Astro. O Astro na terça passada bombou pois foi estréia, é lógico que pós estreia tem rejeição..

A fazenda consolidou 16...


Ah, e antes que me esqueça, parabéns Daniel por aceitar comentários que discordem das opiniões que você expressa em seus textos. Há muitos blogs por ai que não aceitam.. Eu mesmo deixei de visitar um blog que gostava muito, pq sempre que no comentário eu discordava da opinião do post, ele era ou apagado ou simplesmente ele me respondia com desprezo, como se só a visão dele das coisas é a que conta.

Ary disse...

Caro senhor Paulo Roberto Montanaro,

Me desculpe, mas assistir quaisquer programa de entretenimento e achar que isso acrescenta algo, é pura besteira. Tanto Cordel Encantado quanto O Astro cumprem bem a função de entreter e como tais merecem aplausos.

Se quero acrescentar algo em minha vida, que seja mesmo de valor, procurarei isso nos livros, nunca na televisão.

Há quem bata no peito, se acha o suprasumo da intelectualidade porque assiste Cordel Encantado e O Astro e se coloca em cima de um pedestal.

Já li Marx, fui um defensor fervoroso das idéias do socialismo e já enfrentei coquetéis molotovs em muitos desses movimentos contra o grande demônio chamado capital.

Até que me dei por mim que estava a esmurrar ventos e servindo de massa de manobra para uma iedologia composta de capitalistas que só apoiavam o socialismo quando estavam do outro lado do muro. Ao chegar no poder,vi máscaras serem desfeitas. E muros caindo.

Ainda defendo algumas idéias socilistas até o ponto em que acredito que os mercados não se autorregulam e tende a buscar um sistema no qual o de cima sobe e o de baixo cai, criando assim um monstro chamado desigualdade. Contudo, sei que o socialismo é uma ideologia falha.

O socialismo peca por excesso de igualdade,em um mundo de diversidade. O capitalismo sem freio peca por excesso de desigualdade, e transforma o mundo numa espécie de roleta. Então, pois, o meio termo.

Acho que enchi o saco com esse assunto que não tem nada ver com o post proposto, mas acho que ninguém é melhor que ninguém por gostar de coisas diferentes. Ninguém é bobo e sabe que esses tipo de reality só serve mesmo pra isso: entretenimento. Ninguém está a procura de conteúdo intelectual nisso. Eu não procuro.

Gabriel Borba disse...

Boa tarde

Como quase sempre ocorre, falar de reality acaba em discussão. Talvez por isso eles sejam sucesso. Ou alguém duvida disso?

Gostar ou não é outra história.

Eu detesto o tal do MMA ou UFC sei lá, mas não vou negar que o troço é um sucesso. Até o reality show baseado neles é sucesso.

A estreia da Fazenda não foi boa. Isto tem que ser dito. Não foi ruim, mas poderia ter sido melhor. Acho que todos os fãs do formato esperavam um pouco mais.

No entanto, acredito que o programa tem tudo para emplacar, e exatamente pelo motivo que todos criticam: o elenco (calma Montanaro, deixa eu explicar).

Reality show só é reality show por que existem pessoas que gostam de assistir pessoas interagindo, mesmo que em condições nem perto das reais (vamos combinar que quinze pessoas vivendo juntas, com um banheiro, sem televisão...). Sendo assim, o que é mais importante no reality show? As pessoas.

Mesmo que a produção do programa erre feio em quase tudo, se as pessoas que estiverem lá demonstrarem-se interessantes o programa é salvo. Não temos exemplos disso no BBB (só para citar o programa global onde isso já aconteceu algumas vezes?), ou na própria Fazenda (vejam o caso do "Mendigo")?

Sendo assim, colocar em uma mesma casa um ex-jogador como o Dinei (não precisa comentar), uma ex-prostituta (que vai ser chamada de Bruna até o fim do programa), Washington (que pode vir a ser o novo Aguinaldo Timóteo), João Kleber (como conseguiram convencer ele heim? - dizem que ele estava bem em Portugal), carinhas bonitinhas como os modelos, nem tão bonitinhas como a lutadora, engraçadas, "pouco letradas", enfim... tem tudo para ser um ótimo produto de ENTRETENIMENTO.

ENTRETENIMENTO.

Só.

Para quem gosta.

Um abraço.

Postar um comentário

Twitter Facebook Adicionar aos Favoritos Mais

 
Tecnologia do Blogger | por João Pedro Ferreira